builderall


Resduos Slidos Urbanos (RSU) representam uma grande ameaa para a sade do ser humano e do meio ambiente.


No mundo inteiro, a gerao e o manejo dos RSU tm tomado boa parte da ateno dos governantes e da sociedade dado seu potencial de crescimento e de degradao ambiental, principalmente, em funo do aumento da populao e da gerao de bens de consumo atrelado a esse fenmeno (Tartari e Fris, 2003).


No Brasil, tal cenrio no diferente, a Figura 1 abaixo apresenta os dados levantados pelo Panorama dos Resduos Slidos, realizado pela Associao Brasileira de Empresas de Limpeza Pblica e Resduos Especiais (ABRELPE), no que diz respeito gerao de resduos slidos urbanos.



ATERROS SANITRIOS


Aterros Sanitrios constituem um processo para disposio final de resduos slidos no solo, fundamentado em critrios de engenharia e normas operacionais especficas, permitindo seu confinamento seguro em termos de controle de poluio ambiental e proteo sade pblica (Bocchiglieri, 2005).


Dessa forma, h uma tendncia mundial em se empregar Aterros Sanitrios no sistema de gesto de Resduos Slidos Urbanos (RSU); atualmente, apresentam-se como a alternativa mais vivel tanto do ponto de vista econmico, como na adequada destinao final do lixo (Renou et al, 2007).


Entretanto, a gerao de lixiviados contaminados permanece como uma inevitvel consequncia do uso de tal tecnologia (Souto e Povinelli, 2006; Wiszniowiski et al, 2005).


Lixiviados de aterro sanitrio, tambm conhecidos por Chorume, so definidos como efluentes lquidos gerados como resultado da percolao de gua de chuva atravs dos resduos slidos dispostos em aterros sanitrios, bem como da umidade natural desses resduos. Tais efluentes podem conter uma grande quantidade de matria orgnica (biodegradveis e no biodegradveis ? refratrios), onde os compostos hmicos constituem um importante grupo, assim como os compostos nitrogenados, metais pesados e sais inorgnicos (Renou et al, 2007; Moravia et al, 2006; Wiszniowiski et al, 2005; een e akiroglu, 2001; QASIM e CHIANG, 1994). A Figura 2 apresenta o layout de gerao do lixiviado em aterros sanitrios.



A presena desses constituintes no lixiviado, atrelado a inexistncia de engenharias de controle na maioria dos aterros, combinado com o fato de que muitos aterros inadivertidamente podem ter recebido no passado, ou atualmente, resduos perigosos e industriais, acabam por gerar a liberao de substncias potencialmente txicas, as quais podero infiltrar pelo solo at atingirem guas subterrneas ou escoar para guas superficiais (QASIM e CHIANG, 1994).


Brown et al (1991) citado por QUASIM E CHIANG (1994), investigou a presena de toxicidade aguda e gnica em lixiviados de aterro sanitrio. Em seu estudo, ele encontrou no lixiviado muitos dos mesmos componentes perigosos encontrados nos resduos slidos presentes nos aterros sanitrios, caracterizando tais locais como uma sria ameaa qualidade da gua subterrnea.


interessante ressaltar que mesmo anos aps ter-se exaurida a capacidade de recebimento de RSU para sua disposio final em aterros, o mesmo continua a gerar o lixiviado (Bocchiglieri, 2005).


Os lquidos perclorados de aterros sanitrios podem ser classificados de acordo com a ?idade? que possuem em:



A tarefa de planejar e projetar uma instalao de tratamento de lixiviado de aterros sanitrios exige o conhecimento da concepo de aterros, quantidade e qualidade do lixiviado gerado, o grau de tratamento necessrio, e mtodos de disposio final do efluente e de resduos (QASIM e CHIANG, 1994).


Entretanto, devido s caractersticas tpicas desse lixiviado, alguns problemas so inerentes ao tratamento desse efluente, tais como:



Ressalta-se que fatores como: taxa de precipitao anual, temperatura mdia, tipo de compactao, idade do aterro, entre outros, tambm influenciam na composio do lixiviado gerado.


Diante desse quadro, algumas alternativas so propostas na direo de estabilizar esse Chorume e melhor disp-lo na natureza. A seguir, abordar-se- algumas dessas tecnologias.

 

Processos Fsico-Qumicos ? Coagulao/Floculao

 

Processos de Coagulao e Floculao podem ser empregados na remoo de compostos orgnicos no biodegradveis e metais pesados presentes em lixiviados de aterro sanitrio (Renou et al, 2007).


O mecanismo de coagulao desestabiliza as partculas coloidais por meio da ao de produtos qumicos chamados de Coagulantes, sobretudo, sais de Ferro e Alumnio, uma vez desestabilizadas as partculas, segue-se a etapa de floculao, onde haver o incremento do tamanho dos flocos os quais, em seguida, podero ser separados da fase lquida por meio da sedimentao.


Em geral, o emprego dessa tcnica envolve ajustes de pH e diferentes adio dos coagulantes.


De um modo geral, os dados obtidos na literatura apontam para o emprego de processos de Coagulao/Floculao em lixiviados de aterros sanitrios novos apenas como forma de pr-tratamento, em funo dos baixos ndices de remoo quando comparados com outras tcnicas. Por outro lado, possvel obter-se excelentes ndices de remoo de compostos refratrios no tratamento de lixiviados estabilizados.

 

Precipitao Qumica ? Gerao de Estruvita

 

Compostos nitrogenados esto presentes em altas concentraes nos lixiviados de aterros sanitrios, o que acabam por afetar significativamente o desempenho de processos de Lodos Ativados Convencional. Observa-se reduo da remoo de DQO de 95 para 79% quando a concentrao de nitrognio amoniacal aumentada de 50 para 800mg/L (Li et al apud Renou, 2007).


Dessa forma, muitos trabalhos tm investigado a formao de Estruvita (fosfato de magnsio e amnio) na remoo de compostos nitrogenados como alternativa de pr-tratamento de processos biolgicos.


A formao do precipitado de estruvita segue a seguinte reao:

MgCl2.6H2O  +  Na2HPO4  +  NH4+      MgNH4PO4.6H2O  +  2NaCl  +  H+


A vantagem da precipitao de estruvita que o lodo gerado aps o tratamento pode ser utilizado como fertilizante pela agricultura, como fonte de nitrognio, isso no caso do lixiviado tratado no apresentar metais pesados (Chan et al, 2005).

 

Adsoro em Carvo Ativado

 

Devido a suas propriedades, tais como grande rea superficial, estrutura microporosa, alta capacidade de adsoro e superfcie reativa, o uso de Carvo Ativado Granular (CAG) ou em P (CAP) tem sido largamente empregado nos processos de tratamento de lixiviados de aterro sanitrio, sobretudo na remoo de compostos no biodegradveis.


Basicamente, o processo de adsoro consiste na transferncia de compostos presentes na fase lquida para a superfcie reativa, seguida da vinculao desse material nos ?vazios? do carvo ativado devido a interaes fsicas e/ou qumicas.